O Barato que Sai Caro

Tempo de leitura: 3 minutos

Quem nunca ouviu ou até mesmo usou a expressão “O barato que sai caro.”?

Temos que economizar sempre que possível, mas antes da economia, devemos analisar o famoso “Custo X Benefício”.

Na maioria das vezes, o “mais em conta” não atende a contento nossas necessidades ou expectativas.

1) Armazenar cópias de segurança de suas informações no mesmo servidor ou na mesma rede. Para economizar, algumas empresas fazem a cópia de segurança dos seus dados no mesmo computador em que está seu banco de dados oficial, ou até mesmo em outro computador, porém na mesma rede e local físico. Parece algo absurdo, mas isso é adotado em mais empresas do que você imagina. Então, se ocorrer um roubo, incêndio, contaminação por alguma praga cibernética ou algo que danifique esses computadores onde estão as informações e suas respectivas cópias de segurança, a empresa perde todos seus dados e, juntamente com eles, sua credibilidade. Não seria a hora de pensar em contratar um Data Center para cuidar dos seus dados e adotar uma boa política de segurança e de backups?

2) Você tem uma empresa e não faz as devidas provisões. Não mantém um controle financeiro gerencial. Não utiliza uma simples planilha de DRE em Excel. Não faz coisas simples e de baixo custo para controlar sua vida empresarial ou pessoal. Acha que é uma perda de tempo e que é caro realizar este controle. Aí você gasta mais do que devia, tem que dispensar funcionários e não tem dinheiro para acertar as rescisões trabalhistas. Às vezes não tem dinheiro nem para os salários. Quantas empresas recorrem aos bancos todo fim de ano para pegar empréstimos para pagar o décimo terceiro salário de seus funcionários?

3) Na vida pessoal se gasta com viagens, carros, roupas e outras coisas que não poderiam ter sido compradas naquele momento. Na avaliação do tópico anterior, assim como nesta, não estou falando do “caro” me referindo ao dinheiro. Nestes exemplos, quando digo “caro” ou “barato” estou me referindo ao tempo necessário para controlar ou provisionar os gastos que serão realizados a curto prazo. Sendo o mesmo “barato” comparando-se com os problemas gerados pela falta de gerenciamento, pagando-se um alto preço pela negligência.
Mas a maioria prefere fazer o “barato” que seria o mais “fácil”, que é gastar sem pensar nas conseqüências. A principal conseqüência é não ter dinheiro para custear suas despesas básicas. Nesse caso, até casamentos são desfeitos, pois sem dinheiro, a maioria dos casais entra em colapso. Acaba um colocando a culpa no outro pelo fracasso financeiro.

4) Poderia citar muitos outros casos, como:
Não fazer as revisões corretas nos veículos. Conseqüência: Ficar a pé com toda família em alguma estrada de difícil acesso estragando o passeio de todos.
Não usar material elétrico de boa qualidade. Conseqüência: Pagar uma conta de energia alta, pois os fios utilizados não suportam a tensão dos equipamentos ligados à rede elétrica.
Não ir a um dentista especializado. Conseqüência: Perdem-se os dentes por tratar de forma incorreta, com dentistas que não tenham conhecimento do seu problema especificamente.
São casos em que o barato sai caro, às vezes muito caro.

Enfim, pense bem quando for comprar um produto ou serviço para não cair no barato que sai caro. Avalie bem antes de efetuar a compra, pois sempre haverão coisas boas a um preço justo. Cuidado com uma coisa que parece ser boa, mas que o preço está muito abaixo do praticado pelo mercado. Às vezes, em alguns casos, pode-se perder o trabalho de uma vida inteira.

Pensem nisso!

Fiquem com Deus e até o nosso próximo post.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *